Escolha uma Página
O que fazer em Santiago: Roteiro de 4 dias na capital do Chile

O que fazer em Santiago: Roteiro de 4 dias na capital do Chile

Emoldurada pela Cordilheira dos Andes, Santiago, no Chile, é organizada, simpática, culturalmente rica e foi isso que nos atraiu a fazer uma visita por lá e escrever este artigo artigo para ajudar você sobre o que fazer em Santiago usando este roteiro completo de 4 dias.

Todos adjetivos que escrevi acima se confirmaram já no primeiro dia de viagem. Ficamos por lá por quatro dias e digo que este é o mínimo para aproveitar bem a cidade. Mas não se preocupe se você tem menos tempo. Montamos um roteiro prático e mostramos o que fazer em Santiago, com os programas imperdíveis para curtir por lá.

Confesso que sempre tive muita expectativa com relação ao Chile, mas não sabia ao certo o que fazer em Santiago. Busquei muitas dicas na internet, mas fiquei um pouco perdida com tanta informação e sem perceber o que, de fato, era realmente importante conhecer. Como fiz uma viagem em casal e era nossa primeira vez em Santiago, priorizamos os principais pontos turísticos e idas a restaurantes, além de que também fizemos questão de conhecer uma vinícola.

Conseguimos também encaixar no roteiro um “pulo” ao Valle Nevado. Aliás, este foi um ponto turístico que ficamos em dúvida se valeria a pena fazer, pois na época em que visitamos Santiago ainda não era o período de neve (fomos no final de março).

 

o que fazer em santiago

Região central de Santiago, cidade bonita, organizada e com povo bastante simpático (Foto: Passaporte Digital)

 

Aqui neste artigo, compartilho com você um pouco de como organizamos nossa viagem, com informações bem úteis sobre preço, localização, como chegar, meios de transporte e casas de câmbio em Santiago, para que você priorize o que mais lhe interessar e aproveite ao máximo a sua estadia. Vamos lá?

 

Roteiro Santiago: Dia 1

1. Plaza de Armas

Começamos o nosso roteiro pelo centro de Santiago, parte que reúne a maioria dos pontos turísticos da capital chilena. Depois de conhecer outros pontos da cidade, confesso que o centro não é a parte mais limpa e organizada, mas é a mais rica historicamente. E é na Plaza de Armas que podemos sentir toda essa vibrante história. Ali, fica o marco zero de Santiago, emoldurado por palmeiras e casarões coloniais. Na praça, tem muitos artistas de rua, comerciantes e turistas. Em todo o seu entorno tem atrações interessantes, como o edifício antigo do Correo Central, de 1882, a neoclássica Catedral Metropolitana e o Museo Histórico Nacional, de 1808.

 

santiago_plaza de armas

Plaza de Armas, o marco zero de Santiago (foto: Joel Mann – Flickr)

Onde fica: Plaza de Armas 951 (metrô Plaza de Armas)
Horário de funcionamento: Museo Histórico Nacional – de terça a domingo, das 10h às 18h
Preço: entrada gratuita

 

2. Museo Chileno de Arte Precolombino

Continuando com nossas dicas de o que fazer em Santiago, ali pertinho da Plaza de Armas fica o Museo Chileno de Arte Precolombino. Se você é um apreciador de história, vai adora conhecer múmias de mais de 7 mil anos, além de esculturas maias e outras peças de arte pré-hispânica do continente americano.

 

santiago_museu precolombino

Museo Chileno de Arte Precolombino tem múmias e peças de arte pré-hispânica (foto: Ian Carvell – Flickr)

Onde fica: Bandera 361 (metrô Plaza de Armas)
Horário de funcionamento: de terça a domingo, das 10h às 18h
Preço: $4.500 pesos (adulto), crianças até 10 anos: grátis. Entrada franca no primeiro domingo de cada mês

 

3. Palacio de La Moneda

Ainda na região central fica o que é, na minha opinião, o mais imponente prédio histórico de Santiago: o Palacio de La Moneda.

o que fazer em santiago

O imponente Palácio La Moneda, sede do governo chileno (Foto: Passaporte Digital)

Além de apreciar a fachada, a sede do governo chileno também fica aberta para visitação interna, mas é preciso agendar com antecedência no site. Se quiser ver a troca de guarda, ela geralmente acontece às 10h, dia sim dia não (infelizmente, não conseguimos ter essa experiência para contar para você). Veja o vídeo abaixo.

 

Onde fica: Moneda sem número (metrô Universidaad Catolica ou Santa Lucia)

 

O QUE FAZER EM SANTIAGO: DICA DE HOTEL TESTADO E APROVADO

 

4. Cerro Santa Lucía

Próximo ao La Moneda, ainda no centro urbano, o Cerro Santa Lucía é perfeito para ter uma vista panorâmica da cordilheira dos Andes, além dos prédios históricos e dos arranha-céus de Santigo. No entanto, o passeio requer um certo esforço físico: 300 graus. Mas a paisagem compensa. Tem até uma fonte inspirada na Fontana di Trevi, de Roma.

santiago_chile

Depois de subir 300 degraus, chega-se ao Cerro Santa Lucía, com vista panorâmica da cordilheira dos Andes (foto: Carlos Varela – Flickr)

Onde fica: Avenida Bernardo O’Higgins 499
Horário de funcionamento: diariamente, das 9h às 19h (metrô Santa Lucia)

 

5. Mercado Central

Adoro visitar mercados, ouvir aquela burburinho de gente, ver o que as pessoas comem, degustar iguarias. No Mercado Central de Santiago não é diferente. Além da venda de pescados, tem muitos restaurantes ali, embora os preços sejam um pouco salgados. Se não tiver com orçamento apertado, a dica é experimentar a famosa centoulla, um caranguejo gigante. Mas prepare o bolso. Você paga por esse prato por volta de R$ 400! Nós deixamos para provar na próxima viagem! rs.

Onde fica: Ismael Valdes Vergara 900 (metrô Puente Cal Y Canto) 

o que fazer em santiago

Mercado Central tem muitos restaurantes para comer a famosa centoulla (Foto: Passaporte Digital)

 

6. Museu Nacional de Bellas Artes

Próximo do Cerro Santa Lucía fica um dos mais importantes museus de Santiago, o de Bellas Artes. No acervo, há pinturas e esculturas dos principais artistas plásticos chilenos. Também existe uma seção de artistas internacionais, além de várias exposições temporárias.

Onde fica: José Miguel de la Barra 650 – Parque Forestal (metrô Bellas Artes)
Horário de funcionamento: de terça a domingo, das 10h às 18h45
Preço: grátis

 

Roteiro Santiago: Dia 2

1. Cerro San Cristóbal

Coninuando nossa lista de o que fazer em Santiago, começamos o segundo dia de viagem em uma montanha de mais de 800 metros: o Cerro San Cristóbal. Para chegar até lá em cima, é preciso subir de um jeito bem diferente, de funicular, que sai da Calle Pio Nono. É bem legal e diferente, parece que estamos voltando no tempo. Lá em cima, tem a estátua da Virgen de La Inmaculada Concepción, com 14 metros de altura. A área pertence ao Parque Metropolitano de Santiago, que tem também um zoológico e um jardim japonês.

santiago_cerro san cristoban

A estátua da Virgem Maria que fica no Cerro San Cristóban (foto: V.T. Polywoda – Flickr)

Estando lá em cima, a dica é descer de teleférico. Se você subiu pelo funicular, terá de comprar uma entrada a mais para usar o teleférico. E a entrada fica meio escondidinha, achamos meio que por acaso, em um caminho sem indicação atrás de uma lojinha que vende artigos religiosos. Achei uma das partes mais bonitas do passeio. Estando dentro do teleférico, em uma cabine que cabe até quatro pessoas, tem duas ou três paradas até chegar ao final do percurso.

Onde fica: Calle Pio Nono 450, Bellavista
Horário de funcionamento: de terça a domingo, das 10h às 18h45, e às segundas, das 13h às 18h45 (horários estendidos no verão)
Preço: variam de acordo com o dia da semana e as estações percorridas, mas variam de $ 800 pesos a $2.600 pesos

 

2. Patio Bellavista

Aproveite que está bem perto do Patio Bellavista e faça uma pausa para o almoço. O lugar é uma graça, cheio de restaurantes e lojinhas ótimas para comprar aquela lembrancinha da viagem. Aqui, sugerimos duas opções que gostamos: o 100 Montaditos, com lanchinhos típicos deliciosos, e o Bar Galindo, com pratos chilenos e carnes.

o que fazer em santiago

O famoso Pato BellaVista com seus restaurantes (Foto: Passaporte Digital)

Clique aqui e veja todas as indicações de restaurantes em Santiago.

Onde fica: Constituicion (metrô Baquedano)

 

3. Casa Museo La Chascona

Falou em Chile se lembrou do poeta Pablo Neruda. Em Santiago, dá para conhecer uma das três casas do autor, a Casa Museo La Chascona, também no bairro Bellavista. Tem visitas guiadas de 40 minutos, nas quais dá para ver livros e anotações do artista, além do Prêmio Nobel de Literatura, recebido em 1971.

 

lachascona_santiago

Em La Chascona, uma das três casas do poeta chileno Pablo Neruda, dá para ver livros e objetos do artista (Divulgação)

Onde fica: Fernando Márquez de la Plata 192 (metrô Baquedano)
Horário de funcionamento: terça a domingo, das 10h às 18h
Preço: $7.000 pesos (adulto), $2.500 estudantes e maiores de 60 anos

 

4. Sky Costanera

O que fazer em Santiago? É claro que o mirante mais alto da América do Sul, com 300 metros de altura, não pode ficar de fora do roteiro. Localizado no shopping Costanera Center, fica no 61º andar (ambiente fechado) e no 62º andar (ambiente ao ar livre), com uma vista 360º de Santiago, mas não se preocupe porque o elevador sobe rapidinho. A dica aqui é ir no final da tarde, porque você consegue ter a vista da cidade de dia e à noite.

o que fazer em santiago

Vista de Santiago a partir do Sky Costanera (Foto: Passaporte Digital)

 

O QUE FAZER EM SANTIAGO: SAIBA MAIS SOBRE PREÇOS E HORÁRIOS DO SKY COSTANERA NESTE POST

 

5. Shopping Sky Costanera

Se você é daqueles que não dispensa um shopping, seja onde for, aproveite a ida ao Mirante do Sky Costanera para conhecer o shopping, que aliás é uma delícia. Lá dentro, encontramos um supermercado que vende vinhos a preços ótimos. Aliás, fica aqui uma dica preciosa: o melhor lugar para comprar vinhos é realmente nos supermercados 😉

 

o que fazer em santiago

Shopping Costanera Center é boa opção para compras, inclusive de vinhos (Foto: Passaporte Digital)

Onde fica: Av. Andrés Bello 2457 (metrô Tobalaba)

 

6. Bar Liguria

Achamos o Bar Liguria por acaso, na hora de voltar para a estação do metrô Tobalaba (fica do ladinho), e simplesmente adoramos tudo. A comida é ótima, o ambiente é super descontraído, o atendimento é muito cortês. Recomendo muito!

 

O QUE FAZER EM SANTIAGO: SAIBA MAIS SOBRE ONDE COMER NESTE POST

 

Roteiro Santiago: Dia 3

1. Vinícola Santa Rita

Entre nossas dicas de o que fazer em Santiago entra um passeio que não fica exatamente na capital chilena, mas dá para fazer um bate-volta no período da manhã tranquilamente. Entre tantas vinícolas que tem nos arredores, optamos por visitar a Vinícola Santa Rita e, sem dúvida, este foi um dos pontos altos da viagem. Além de o lugar ser lindo, ali tivemos uma verdadeira aula sobre vinhos. Para chegar lá, aconselho contratar uma empresa de turismo, pois ir de transporte público é um pouco complicado.

 

o que fazer em santiago

Vinhas da Vinícola Santa Rita, passeio bem pertinho de Santiago (Foto: Passaporte Digital)

 

EXPLICAMOS TUDO SOBRE A VISITA À VINÍCOLA SANTA RITA NESTE POST.

 

2. Shopping Parque Arauco

Continuando nossa lista de o que fazer em Santiago, no retorno da vinícola paramos no Shopping Parque Arauco, no bairro Las Condes, para almoçar. Não que eu curta muito recomendar shoppings, pois prefiro conhecer os pontos turísticos, mas acho que esse vale a pena, principalmente pela área de alimentação ao ar livre. Muito lindo!

Onde fica: Av. Presidente Kennedy, 5413 (metrô Escuela Militar ou Manquehue mais ônibus 411, C11, C20 e 409).
Horário de funcionamento: diariamente, das 10h às 21h

 

3. Parque Araucano

Bem na frente do shopping, tem mais um lugar bacana do bairro Las Condes para conhecer: é o Parque Araucano. O local é lindo, ótimo para uma caminhada. Se estiver com crianças, tem uma área de playground incrível lá. Uma pausa deliciosa depois de ter tomado tanto vinho! rs… E ainda bem que ficava bem pertinho do nosso hotel. Voltamos a pé.

Onde fica: Cerro Colorado (metrô Escuela Militar ou Manquehue mais ônibus 411, C11, C20 e 409).
Horário de funcionamento: diariamente, das 6h às 21h

 

o que fazer em santiago

Parque Araucano, uma ótima opção de passeio em Santiago (Foto: Passaporte Digital)

 

4. Jantar no bairro Lastarria

Para fechar o primeiro dia do roteiro em grande estilo, a dica é conhecer o boêmio bairro Lastarria. Ali, tem um “triângulo” emoldurado por lindos restaurantes, uma delícia passear por ali à noite. Pegamos a indicação de um morador e fomos conhecer a Casa Lastarria, um restaurante supercharmoso e com ótima comida.

Onde fica: Lastarria 70 (metrô Universidad Católica)

 

O QUE FAZER EM SANTIAGO: VEJA MAIS SUGESTÕES DE RESTAURANTE AQUI

 


Roteiro Santiago: Dia 4

1. Valle Nevado

 

o que fazer em santiago

Valle Nevado é bonito até sem neve (Foto: Passaporte Digital)

 

Mesmo não estando na época de neve, queríamos muito conhecer o tão falado Valle Nevado. Daí, descobrimos que dava para fazer um bate-volta de meio dia por lá e resolvemos encarar a experiência. O caminho em si já é uma atração, com estradas sinuosas que dá até um medinho! rs… Brincadeiras a parte, se achar necessário, leve um Dramin para evitar enjôos.

 

2. Parque Bicentenário

O Parque Bicentenário é um daqueles que entram fácil na lista dos top 10. Localizado no bairro de Vitacura, é uma das maiores áreas verdes da cidade. Tem trilhas para caminhar e andar de bicicleta, lagos artificiais, playgrround, enfim, um oásis mesmo. O único problema aqui é que o lugar fica afastado das linhas de metrô. Por isso, o mais conveniente é optar por ônibus ou táxis.

Onde fica: Avenida Bicentenário
Horário de funcionamento: 24 horas

 

3. Jantar no restaurante Mestizo

Quando estiver no parque Bicentenário, não deixe de conhecer o badalado restaurante Mestizo. O visual do restaurante já vale a visita, o cardápio é excelente e a carta de vinhos também. O preço? Bom, mais ou menos o que você pagaria em um bom restaurante de São Paulo. 😉

Onde fica: Avenida Bicentenário, 4050

 

4. Parque de las Esculturas

Se der tempo, ou se você já conhecer o Parque Bicentenário e quiser ver um local diferente, a opção é o Parque de las Esculturas que, como o nome já diz, traz 30 esculturas de diferentes artistas chilenos contemporâneos. Tranquilo, também é um ótimo passeio para fazer com as crianças.

 

santiago_parque de las esculturas

O que fazer em Santiago: É uma delícia passear pelo Parque de Las Esculturas, recheado de obras contemporâneas (foto: Alobos Life – Flickr)

 

Onde fica: Santa Maria 2201
Horário de funcionamento: diariamente, das 10h às 14h e das 15h às 20h
Preço: grátis

 

MAIS ALGUMAS DICAS DE O QUE FAZER EM SANTIAGO

Antes de fechar nosso roteiro de o que fazer em Santiago, gostaria de passar mais algumas informações úteis:

  • Idioma: espanhol
  • Melhor época para ir a Santiago: depende da intenção da viagem. Março é mais fresco e um bom período para visitar as vinícolas. Se quiser esquiar nos arredores, o ideal é ir de julho a setembro.

 

CÂMBIO SANTIAGO

Por último, mas não menos importante, gostaria de passar algumas dicas sobre câmbio em Santiago.

A moeda utilizada no Chile é o peso chileno. Existem muitas casas de câmbio em Santiago, mas recomendo levar pelo menos um pouco já trocado aqui do Brasil, para pagar um táxi, transporte ou comida no primeiro dia, até que você encontre uma casa de câmbio.

Pelo menos foi o que eu fiz e deu certo. Levei 100.000 pesos chilenos para o primeiro dia, paguei o táxi para o hotel e um lanche. Evite usar a casa de câmbio do aeroporto, que tem uma das piores cotações, ok?

Eu tinha pesquisado na internet que as melhores casas de câmbio de Santiago ficavam na região central, especialmente na rua Agustinas. No entanto, eu comprei pesos chilenos em três casas de câmbio diferentes quando estive em Santiago, e a melhor cotação foi uma casa de câmbio que ficava perto do meu hotel, inclusive melhor que a cotação da casa de câmbio da calle Agustinas.

Isso significa que quanto mais longe de regiões turísticas maior será a chance de conseguir uma casa de câmbio com uma cotação melhor.

A terceira casa de câmbio em Santiago que usei, porque foi uma situação meio que de emergência porque calculei mal o valor que ia gastar e precisei trocar mais, foi no Shopping Costanera Center, mas a cotação não estava muito boa não.

Enfim, procure sempre uma casa de câmbio fora da região turística ou, se não for possível, use uma das casas de câmbio na região da rua Agustinas. Essa é a minha dica!

Espero que tenha aproveitado minhas sugestões de roteiro em Santiago. Se puder, compartilhe esta matéria e curta nossa fanpage no Facebook e Instagram! Até a próxima!

 

VEJA MAIS SOBRE O CHILE:

Onde esquiar no Chile
Conheça Torres del Paine
Novo centro de esqui na Patagônia
Férias de inverno no Chile

 

 

 


Alessandra Oggioni

Alessandra Oggioni

Jornalista, mãe e apaixonada por viagens. Seu passatempo preferido é desenhar roteiros e dar pitacos na viagem dos amigos. Depois de passar por mais de 12 países e mais de 30 cidades pelo mundo, criou o blog Passaporte Digital, para reunir dicas de viagem para os melhores destinos no Brasil e no exterior.


Booking.com
Onde comer em Santiago: os melhores restaurantes

Onde comer em Santiago: os melhores restaurantes

São tantas opções deliciosas e uma gastronomia tão marcante que fica difícil dizer onde comer em Santiago, no Chile. É claro que tudo depende do bolso também, se você está a fim de gastar mais com alimentação ou precisa encontrar alternativas mais econômicas. No entanto, vou dar algumas dicas aqui a partir da minha experiência, com custos variados, mas somente de restaurantes testados e aprovados, claro.

Resolvi fazer essa lista de restaurante com dicas de onde comer em Santiago porque realmente fiquei um pouco perdida com tantas indicações nos mais variados blogs. Segui algumas recomendações, porém acabei encontrando novas casas que experimentei e curti muito.

VEJA O ROTEIRO COMPLETO DE SANTIAGO AQUI

Sabemos que Santiago não é um destino barato para comer. Por isso, uma das minhas preocupações foi indicar o restaurante, mas também mostrar os preços e o cardápio, porque a maioria das pessoas viaja com um orçamento fechado e não gosta de ter surpresas desagradáveis com a conta.

Ah, outra coisa que vale dizer antes de seguir para as dicas, é que, assim como no Brasil, os restaurantes chilenos também cobram uma taxa de serviço de 10%. O valor é somado na conta. Bom, agora, vamos lá!

Onde comer em Santiago

1. Bar Liguria

onde comer em santiago

Bar Liguria, um achado pertinho do mirante Sky Costanera (Foto: Passaporte Digital)

Encontramos o bar Liguria por acaso, quando saíamos do mirante Sky Costanera (leia mais sobre esta atração aqui). A casa fica no bairro Providencia, bem do ladinho da estação de metrô Tabalaba, de fácil acesso para ir e voltar (mas cuidado, o metrô em Santiago encerra as atividades mais cedo que no Brasil). Era dia de semana e percebemos que o local é muito frequentado pelos moradores, pessoas que saíram do trabalho e foram lá para uma happy hour.  O ambiente é bem descontraído e o atendimento bastante agradável.

Bom, mas vamos ao menu. Tem opções para todos os gostos, de sanduíches a petiscos ou refeições mais incrementadas e também o “prato do dia”. Os preços também são bem variados, a partir de $ 5.800 pesos. A carta de vinhos também é farta, a partir de $ 7.800 a garrafa.

Neste dia, pedimos um vinho branco Chardonnay Santa Emma Select Terroir e dois pratos com peixe e frutos do mar. O total da refeição, já com as taxas, foi de $ 31.900 pesos, por volta de R$ 150,00. Saímos supersatisfeitos com o atendimento e com a comida.

Avaliação: ****
Faixa de preço: R$ 150,00 para o casal
Onde fica e como chegar: Av. Luis Thayer Ojeda 019, Providencia (Metrô Tobalaba)

2. Cafetería Paradiso

onde comer em santiago

Empanada de pino, típica da culinária chilena (Foto: Passaporte Digital)

Outra coisa boa que encontramos no caminho para o Sky Costanera, também no bairro de Providencia, foi a Cafetería Paradiso, onde aproveitamos para experimentar a famosa empanada de pino, por $ 1.150 pesos chilenos. Uma espécie de padaria, tem vários tipos de salgados, doces e cafés, mas preferimos degustar o sabor tradicional da empanada de pino que é feita com cebola, carne moída e azeitona (cuidado com o caroço, a azeitona vem inteira!). Tem também umas opções de molhos para colocar em cima. Meu marido exagerou na de pimenta! Mas são muito bons. Vale sim experimentar!

Avaliação: ***
Faixa de preço: Econômico
Onde fica e como chegar: Av. Luis Thayer Ojeda 140, Providencia (Metrô Tobalaba)

3. 100 Montaditos

Mais uma dica de onde comer em Santiago que foi encontrada por acaso: o 100 Montaditos. Estávamos de passagem, correndo para chegar ao Cerro San Cristóban e passamos rapidamente pelo Patio Bellavista. Queríamos um lanche rápido e está foi uma opção deliciosa, que nos surpreendeu.

onde comer em santiago

Os lanchinhos deliciosos do 100 Montaditos, no Patio Bellavista

Um rapaz supersimpático nos atendeu e nos deu a sugestão de um combo com seis minisanduíches (chamados de montaditos) com recheios diferentes ($ 6.800 pesos). Era um prato rápido e delicioso, ele nos garantiu. E foi mesmo. Depois, vimos no cardápio que o montadito é típico da Espanha, montado em um pão de receita exclusiva e servido ligeiramente quente. Adoramos! O pão estava muito crocante por fora e macio por dentro, os recheios realmente eram muito gostosos e bem feitos. Tinha lanchinho de presunto serrano, lombinho, chorizo… huuummm, estavam bons mesmo! Uma sangria cai bem para acompanhar!

Para completar, acabamos pedindo também uma porção de minichurros com doce de leite e chocolate ($ 2.500 pesos). Muito gostoso!

Avaliação: ****
Faixa de preço: R$ 75,00 casal
Onde fica e como chegar: Plaza Patio Bellavista 051 (Metrô Baquedano)

4. Bar Galindo

onde comer em santiago

Bar Galindo realmente tem ótimo custo-benefício (Foto: Passaporte Digital)

Quando estava pesquisando onde comer em Santiago vi muitas dicas sobre o custo-benefício do Bar Galindo, que fica bem atrás do Patio Bellavista, mas do lado externo. Vi que um dos pontos fortes da casa são os pratos típicos do Chile, por isso quis pedir algo diferente. A minha escolha foi o pastel de choclo, uma espécie de torta (ou escondidinho) feita com grão de milho e recheado de carne moída, cebola e ovo ($ 6.600 pesos). Dá para duas pessoas tranquilo. É bem grande. Para ser sincera, eu achei o sabor muito doce. Acabei gostando bem mais do prato que meu marido pediu: um belo bife com fritas ($ 7.900)! rs.

onde comer em santiago

O tradicional pastel de choclo, feito com milho e carne (Foto: Passaporte Digital)

Aproveitei a oportunidade para sair um pouco dos vinhos e degustar a bebida típica chilena: o pisco sour ($2.300). Adorei! Me lembrou bastante a nossa caipirinha, mas um pouco mais suave. Achei bem gostoso. Vale a pena experimentar.

Avaliação: ***
Faixa de preço: R$ 100,00 por casal
Onde fica e como chegar: Dardignac 98, Providencia (Metrô Baquedano)

5. Casa Lastarria

onde comer em santiago

Casa Lastarria é ótima opção para ir a dois (Foto: Passaporte Digital)

Outra dica bacana de onde comer em Santiago, mas agora para quem procura algo mais romântico, é a Casa Lastarria. O estabelecimento fica no charmoso e boêmio bairro de Lastarria, repleto de restaurantes. Seguimos a recomendação de um morador e chegamos a este restaurante para comemorar nosso aniversário de casamento. Foi realmente muito bom. O ambiente é bastante intimista e aconchegante. Escolhemos uma mesa na varanda e conseguimos curtir a noite ao ar livre.

VEJA TAMBÉM: Visita à Vinícola Santa Rita

onde comer em santiago

Risoto de camarão da Casa Lastarria (Foto: Passaporte Digital)

A carta de vinhos é bem completa. Desta vez, escolhemos o Carmenere Tres Palacios ($7.000 pesos). Os pratos estavam realmente deliciosos. De entrada, pedimos um ceviche ($ 7.900), que estava um primor. De prato principal, nossa pedida foi um atum a la parilla ($ 12.500) e um risoto de camarão ($ 9.800), que estava espetacular. Um capricho na apresentação e no sabor. A conta ficou em $ 42.900, por volta de R$ 250,00.

Avaliação: ****
Faixa de preço: R$ 250,00 para o casal
Onde fica e como chegar: Lastarria 70, Lastarria (Metrô Universidad Catolica)

VEJA MAIS: ONDE FICAR EM SANTIAGO


Alessandra Oggioni

Alessandra Oggioni

Jornalista, mãe e apaixonada por viagens. Seu passatempo preferido é desenhar roteiros e dar pitacos na viagem dos amigos. Depois de passar por mais de 12 países e mais de 30 cidades pelo mundo, criou o blog Passaporte Digital, para reunir dicas de viagem para os melhores destinos no Brasil e no exterior.


Booking.com
Dica de hotel em Santiago: testado e aprovado

Dica de hotel em Santiago: testado e aprovado

Hoje, vamos dar uma dica de hotel em Santiago. Sugerir onde se hospedar é um pouco complicado, porque depende muito de quanto cada um pode ou quer gastar e também da localização que deseja ficar. A nossa sugestão é o Best Western Marina Las Condes, de categoria 4 estrelas, onde ficamos por quatro dias e gostamos muito, especialmente pelo conforto e pela região.

Uma das coisas que mais gostamos neste hotel foi a localização, no bairro (ou comuna) Las Condes. Pertinho da estação Manquehue do metrô, percebemos que estávamos em uma região nova e moderna de Santiago, repleta de hotéis bacanas e prédios comerciais. Ali, próximo também estão o Parque Araucano e o Shopping Parque Arauco.

VEJA O ROTEIRO COMPLETA DE SANTIAGO AQUI

Para ajudar, seguindo na mesma rua do hotel, ainda encontramos uma casa de câmbio com a menor cotação de todas que pesquisamos na viagem, uma mão na roda para trocar o dinheiro com maior comodidade e economia. Para quem se interessar, a Casa de Câmbio é a Brollano, que fica na rua Rosario Norte, quase na esquina com a estação de metrô Manquehue.

Bom, mas vamos falar sobre a dica de hotel em Santiago, claro!

DICA DE HOTEL EM SANTIAGO

dica de hotel em santiago

Best Western Marina Las Condes, com sua fachada moderna, é a dica de hotel em Santiago (Foto: Passaporte Digital)

ATENDIMENTO: O atendimento foi bom, pessoal cortês, não tivemos nenhum problema.

QUARTO: Bastante confortável, cama gigante (king), colchão e travesseiros maravilhosos (só um pouco alto, para o meu gosto, hehehe). O banheiro tinha aquela tradicional banheira que você entra para acessar o chuveiro. Teve um dia que aproveitei um pouco mais, enchi a banheira e fiquei relaxando um pouco! Ah, também tem secador e acesso wi-fi gratuito por todo o hotel, inclusive no quarto.

VEJA MAIS: ONDE COMER EM SANTIAGO

PISCINA: A piscina do Best Western é uma atração a parte. Localizada na cobertura do prédio, ela pode ser vista do lado de fora do prédio, pois tem revestimento transparente, ficando visível para os pedestres lá embaixo. Sem contar a vista da Cordilheira dos Andes que se tem dali. No mesmo local da piscina tem uma jacuzi, que dá para ficar relaxando um pouco com a hidromassagem. Ah, para quem não abre mão de malhar nas férias, tem academia também.

dica de hotel em santiago

A piscina com vidro transparente que pode ser vista do lado de fora é uma das atrações do hotel (Foto: Passaporte Digital)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

CAFÉ DA MANHÃ: Não chega a ser um café da manhã como nos hotéis brasileiros, mas estava bem completinho: pães, frios (tem inclusive aquele famoso jamon), frutas típicas (tem uma que eu nunca tinha visto, a cactus pear), doces, café (um pouco aguado para o nosso paladar), leite, sucos etc.

PONTOS NEGATIVOS: Entre os pontos negativos do hotel, destaco os preços salgados do frigobar. Portanto, o melhor a fazer é comprar água e o que mais quiser tomar fora do hotel e levar para lá, porque senão a brincadeira vai sair cara. Mas acho que isso deve acontecer em quase todo hotel em Santiago, pois os preços em geral (tirando os vinhos) são bem altos para comer, transporte, atrações.

dica de hotel em santiago

Café da manhã do Best Western Santiago tem frutas típicas e muitos doces (Foto: Passaporte Digital)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

PREÇO: Pagamos em março de 2017 R$ 1.200 por três noites para o casal, com reserva feita em janeiro. Inclui café da manhã.

Endereço: Alonso de Córdova 5727, Las Condes, Región Metropolitana de Santiago, Chile

Site para mais informações em português, clique aqui.

LEIA TAMBÉM: VISITA À VINÍCOLA SANTA RITA, PERTO DE SANTIAGO


Alessandra Oggioni

Alessandra Oggioni

Jornalista, mãe e apaixonada por viagens. Seu passatempo preferido é desenhar roteiros e dar pitacos na viagem dos amigos. Depois de passar por mais de 12 países e mais de 30 cidades pelo mundo, criou o blog Passaporte Digital, para reunir dicas de viagem para os melhores destinos no Brasil e no exterior.


Booking.com
Vinícola Santa Rita, no Chile, é mergulho no mundo dos vinhos

Vinícola Santa Rita, no Chile, é mergulho no mundo dos vinhos

Considero a Vinícola Santa Rita, no Chile, um passeio obrigatório para quem vai a Santiago. Isso eu digo não só porque eu amo vinhos, mas também porque é um lugar lindo e uma possibilidade de aprender muito sobre o universo da bebida.

Existem vários tipos de tours que podem ser feitos. Eu fiz o tour clássico, para conhecer o processo de produção dos vinhos e a história do lugar. Aliás, é muito aprendizado. Vou dar um exemplo: você sabe por que toda vinha tem uma roseira na frente? Se tiver uma praga, ela vai atacar primeira a flor, que é muito mais sensível. Daí, o produtor consegue tomar providências antes que a praga ataque a plantação.

vinicola santa rita no chile

Na Vinícola Santa Rita você pode colher e degustar as uvas direto da plantação (Foto: Passaporte Digital)

Além deste tour básico, tem um tour mais incrementado que permite a degustação dos vinhos acompanhado de frios e queijos e também uma opção para visitar o local de bicicleta.

VEJA TAMBÉM: ROTEIRO DE 4 DIAS EM SANTIAGO

Na vinícola Santa Rita, no Chile, é possível pegar as uvas do pé e experimentá-las. Eu não consegui distinguir uma shirah de uma cabernet, mas elas estão lá para você degustar direto da fonte.

Um guia, supersimpático por sinal, acompanha os visitantes durante toda a visita. A começar pelas vinhas, depois as bodegas, a fábrica, a degustação e a lojinha, claro.

Sem dúvida, o momento mais aguardado é a degustação. No meu tour, foi mostrado três tipos de vinho da casa.  A vinícola também tem um cafeteria, um restaurante e um museu de peças andinas.

vinicola santa rita no chile

Vinhas da Vinícola Santa Rita, passeio bem pertinho de Santiago (Foto: Passaporte Digital)

COMO PROGRAMAR A VISITA À VINÍCOLA SANTA RITA, NO CHILE

A Vinícola Santa Rita fica bem pertinho de Santiago, a pouco mais de meia hora de carro. Aqui, a minha sugestão é contratar um serviço de turismo para levá-lo porque realmente ir de transporte público é bem complicado e trabalhoso.

No meu caso, eu fui com a Turistik. Assim, você chega de forma bem confortável à vinícola, em ônibus de viagem, no horário marcado. Você pode comprar o tour direto no pacote com a Turistik por  $ 28.800 por pessoa, o tour e o transporte, o que dá aproximadamente R$ 140,00 por pessoa. O ônibus sai diariamente, às 9h, no estacionamento do Shopping Parque Arauco. Tem inclusive um guichê no shopping que vende os ingressos. Tem alguns representantes que ficam no aeroporto vendendo os pacotes com desconto também.

VEJA MAIS: Onde comer em Santiago


Alessandra Oggioni

Alessandra Oggioni

Jornalista, mãe e apaixonada por viagens. Seu passatempo preferido é desenhar roteiros e dar pitacos na viagem dos amigos. Depois de passar por mais de 12 países e mais de 30 cidades pelo mundo, criou o blog Passaporte Digital, para reunir dicas de viagem para os melhores destinos no Brasil e no exterior.


Booking.com
Conheça o Parque Nacional Torres del Paine, no Chile

Conheça o Parque Nacional Torres del Paine, no Chile

Considerado um dos parques naturais mais bonitos do planeta, o Parque Nacional Torres del Paine, na Patagônia Chilena, é parada obrigatória para quem gosta de aventura, trilhas e natureza. Isso porque o destino reúne tudo isso, em meio a paisagens deslumbrantes.

As famosas montanhas cobertas de gelo é o que mais atrai turistas ao Parque Nacional Torres del Paine. O local também tem estrutura para circuitos de trekking que atravessam matas, quedas d´água e lagos.

VEJA TAMBÉM: ROTEIRO DE 4 DIAS EM SANTIAGO

parque-nacional-torres-del-paine

As montanhas são um dos principais atrativos no Parque Nacional Torres del Paine (foto: Globetrotter_Rodrigo)

A cidade mais próxima e que geralmente serve de base para quem vai ao Parque Nacional Torres del Paine é Puerto Natales, a cerca de 85 quilômetros. Para chegar ao parque é preciso rodar um pouquinho. A viagem começar normalmente a partir de um voo doméstico partindo de Santiago até Punta Arenas. Depois, de lá, mais 3 horas de ônibus até Puerto Natales.

LEIA TAMBÉM: Deserto do Atacama tem vulcões, salar e paisagens exóticas

Mas o esforço compensa. O parque também é considerado um dos melhores lugares do mundo para observar a vida animal. Muitos vão para o local com esse objetivo, e o principal momento é quando os visitantes conseguem observar o puma, o maior felino do Chile. Tem também avestruz, gambá, raposa e coruja.

https://youtu.be/iTA4IvHy66o

Embora as melhores paisagens requerem maior esforço físico para chegar a elas, você também pode percorrer grande parte dos pontos turísticos de carro, já que o parque tem 93 km.

Se estiver com disposição para caminhar, um dos lugares mais bonitos para ir é o Lago Grey, com seus glaciares lindíssimos. A trilha para chegar lá é de aproximadamente duas horas (ida e volta). Tem também o lago Sarmiento, de onde se tem uma bela vista do Maciço Paine, e o passeio de barco ao Glaciar Serrano.

parque-nacional-torres-del-paine-lago sarmiento 2

No lago Sarmiento se se tem uma bonita vista do Maciço Paine Foto: Julio Martinich)

Para se hospedar, há desde hotéis cinco estrelas até áreas de camping, alguns até bem confortáveis.

Há três anos, Torres del Paine foi escolhido entre mais de 300 destinos como a oitava maravilha do mundo, segundo o portal VirtualTourist.

PARQUE NACIONAL TORRES DEL PAINE

Alta temporada: de outubro a abril

Preços: $18.000 (adultos na alta temporada) e $10.000 (adultos na baixa temporada, de maio a setembro)

Como chegar: Rota 9 Norte a 154 km de Puerto Natales (60 km são pavimentados), chegando às portarias de Sarmiento e Laguna Amarga. Outro caminho é o Y-290, conhecido como Lago Porteño, rota de 80 km que liga Puerto Natales ao parque, mais precisamente na portaria Serrano.

Quanto tempo ficar? O ideal é ficar pelo menos três dias.

Quando ir? Observar e percorrer o Parque Nacional Torres Del Parque no verão é impressionante, mas vê-lo nevado é indescritível. O parque está aberto o ano inteiro e, no inverno, o clima é mais estável porque há menos vento.

VEJA MAIS:
Onde comer em Santiago
Onde ficar em Santiago

Buenos Aires: explorando Caminito

Buenos Aires: explorando Caminito

Quem vai a Buenos Aires e não vai a Caminito, não foi a Buenos Aires. Caminito é a rua mais famosa da capital argentina e fica no bairro de La Boca. Trata-se de um lugar muito peculiar, com apresentações de tango ao ar livre, casas coloridas de madeira e chapa de aço e muitos restaurantes bacanas.

No local passava uma antiga ferrovia, que funcionou até 1920. Nos anos 1950, moradores, entre os quais estava o famoso pintor Benito Quinquela Martín, decidiram restaurar a área e batizaram a rua como “Caminito”, em homenagem ao popular tango de 1926, de Juan de Dios Filiberto. Hoje, a via é considerada um museu  céu aberto.

LEIA TAMBÉM: Conheça Puerto Madero, em Buenos Aires

caminito_buenosaires

Caminito reúne tango, casas coloridas e restaurantes (foto: Tracey & Doug)

No local, há muitas atrações, a começar pelas peculiares casas coloridas. Foi Quinquela que iniciou esta tradição. Como os moradores não tinham dinheiro para pintar suas residências, ele pedia as tintas que sobravam dos navios que ancoravam no porto e distribuía para os moradores. Daí o colorido tão tradicional.

Nos arredores também há outros atrativos, formando o chamado Circuito La Boca. Veja mais:

La Bombonera

labombonera_buenosaires

La Bombonera tem tour em campo e museu (foto: Pablo Alzate)

La Bombonera é o famoso estádio do Boca Juniors. Além de ter tours para conhecer o campo, o local tem um museu com troféus, camisas antigas e tudo sobre a história do clube. Fica na Brandsen 805. Horário de funcionamento: das 10h às 18h. 

Fundação Proa

Além dos artistas que expõem suas obras por Caminito, a Fundação PROA é um centro de arte contemporânea muito bonito e bacana de visitar. Fica na Av. Pedro de Mendonza, 1929. Funciona de terça a domingo, das 11h às 19h. Fecha às segundas.

Como chegar a Caminito

Linhas de ônibus: 29, 33, 64, 53, 152.

VEJA TAMBÉM: Passeio de graça em Buenos Aires