Escolha uma Página
O que fazer em Veneza em apenas um dia

O que fazer em Veneza em apenas um dia

Quando se pensa em o que fazer em Veneza logo vem à cabeça a tradicional imagem do casal andando de gôndola. Mas Veneza, na Itália, tem muitos programas legais, como museus palácios, lojas e restaurantes, tudo isso em meio a canais e pontes que tornam a cidade um lugar único.

Muita gente me pergunta se é possível visitar Veneza em apenas um dia. Isso porque muitos turistas aproveitam a ida à Itália para incluir Veneza em um roteiro maior, mas aí acaba sobrando pouco tempo para explorar cada cantinho dessa maravilha de lugar.

Já digo que o ideal seriam pelo menos dois dias inteiros, para ver tudo com calma. Quando eu estive lá, cheguei de Florência de trem no começo da noite, dormi em um hotel na chamada Veneza Mestre (fora do burburinho e beeeem mais barato) e no outro dia conheci tudo com calma. Mas ainda assim acho que foi apertado.

o que fazer em veneza San Giorgio Maggiore

Veneza tem pontes, palácios e igrejas magníficas, como a San Giorgio Maggiore (Foto: Passaporte Digital)

Porém, nem sempre é possível ficar o tempo ideal. Então, se você quer saber o que fazer em Veneza em apenas um dia, vou ajudar com um ROTEIRO PRÁTICO DE 24 HORAS, com os programas e passeios imperdíveis para você conseguir aproveitar ao máximo sua estadia nessa cidade incrível!

Antes de partir para o ROTEIRO, vale dizer que Veneza é uma cidade pequena (e diferente de tudo o que já viu!), o que facilita a locomoção. Na verdade, Veneza é um arquipélago formado por 118 ilhas interligadas por 177 canais. Não há carros nem ônibus circulando por lá. O transporte público é feito por barcos, mas o mais indicado mesmo é percorrê-la a pé.

É uma delícia se “perder” nas vielas de Veneza, que mais se parecem um labirinto, e encontrar cantinhos que não estão no mapa turístico. Mas, claro, entre os pontos obrigatórios de o que fazer em Veneza estão: visitar a Piazza San Marco, conhecer o Palazzo Ducale e navegar pelo Grande Canal. Mas falo mais detalhadamente sobre eles a seguir.

 

O que fazer em Veneza em apenas um dia – ROTEIRO DE 24 HORAS

 

veneza_piazza_san_marco

Na Isola Maestra fica a bela Piazza San Marco, praça cheia de restaurantes e atrações (foto: Teresa Perez Divulgação)

 

8h00: Piazza San Marco

O dia começa bem cedo, direto na Isola Maestra, a ilha principal de Veneza, onde está a famosa Piazza San Marco, uma praça cheia de restaurantes e atrações em seu entorno. De cara você já se encanta com esse lugar! Dá para sentir a verdadeira atmosfera de Veneza ali.

Começo nosso roteiro por aqui porque a partir da Praça São Marcos você consegue avistar o Grande Canal, o Palácio Ducal, a Basílica de São Marcos, a Torre do Relógio e a Biblioteca Nacional Marciana.

A praça mede 180 metros de comprimento e 70 de largura, com pavimento de 1277! Por ser o lugar mais “baixo” de Veneza, quando há a chamada “acqua alta” é o primeiro a inundar. Mas não se preocupe, pois quando isso acontece as autoridades colocam passarelas para os pedestres transitarem.

o que fazer em veneza Basília da Piazza San Marco

Basílica da Piazza San Marco, em Veneza (Foto: Passaporte Digital)

Por ser o principal ponto turístico de Veneza, o lugar está sempre lotado. Por isso, sugiro chegar cedinho para pegar a Piazza San Marco um pouco mais vazia e poder tirar boas fotos! Ah, cuidado com as gaivotas (rs). 

Aproveite para tomar um café reforçado porque o dia promete muita caminhada pelas ruas estreitas de Veneza!

 

9h00: Basílica de San Marco

É na Piazza San Marco que fica a belíssima Basílica de San Marco, ao lado do Palácio Ducal. Mesmo não sendo religioso(a), é impossível ficar indiferente a tanta imponência: uma obra-prima da arte bizantina, com lindos mosaicos. Para ser mais exata, são mais de 8000 metros quadrados de mosaicos cobrindo paredes, abóbadas e cúpulas da Basílica! Sensacional!

Mas não fique só do lado de fora! Dentro da Basílica de São Marco dá para conhecer várias coisas (só tente priorizar aquilo que realmente você curte fazer, caso só tenha um dia em Veneza). Localizado atrás do altar principal encontra-se o famoso Palla d’oro, um retábulo de ouro. É um painel de ouro que mede mais de 3 metros, ornamentado com ouro e pedras preciosas. Lindíssimo!

o-que-fazer-em-veneza-basilica-san-marco

Basílica de San Marco está entre as atrações imperdíveis de o que fazer em Veneza (Foto: Passaporte Digital)

 

🙅 Dica da Alê: A Basílica de São Marcos não permite acesso ao interior com regatas ou mochilas. Caso tenha mochila, existe um guarda-volumes de graça na Rua San Basso, na rua lateral da igreja. A questão da roupa é resolvida com uma capa na entrada do santuário.

Para quem curte história, uma boa pedida é o Museu St. Marks, com relíquias da igreja católica, pinturas e obras de arte que contam um pouco mais das histórias da vida de São Marcos. Entre as obras estão as esculturas originais dos Cavalos de São Marcos, quatro cavalos de bronzes banhados a ouro! 

Mas, na minha opinião, a parte mais interessante é mesmo subir na torre, de onde se tem uma bela vista da cidade. São cinco sinos, que foram quebrados em 1902 e reformados e doados pelo Papa Pio X.

🚩 Onde fica: Piazza San Marco, 328 

Horário de funcionamento:
– Basílica: de segunda a sábado, das 9h30 às 17h, e domingos e feriados, das 14h às 16h30 (até às 17h de abril a outubro)
– St. Mark’s Museum: diariamente, das 9h45 às 16h45 (até às 17h de abril a outubro)
– Pala d’oro: de segunda a sábado, das 9h45 às 16h45, e domingos e feriados, das 14h às 16h30 (até às 17h de abril a outubro)
Campanário: diariamente, das 9h30 às 18h (fechado entre 7 e 23 de janeiro)

💰 Preço:
Basílica: entrada grátis
Museu: 5 € (adulto), 2,50 € (criança entre 6 e 18 anos)
Pala d’oro: 2 € (adulto), 1 € (criança entre 6 e 18 anos)
Campanário: 8 € (adulto), 4 € (criança entre 6 e 18 anos)

LEIA TAMBÉM: Roteiro completo de Roma

 

11h00: Campanário de San Marco

o-que-fazer-em-veneza

Dá para subir no Campanário de São Marcos e ter uma vista linda de Veneza (Foto: Pixabay)

Outro ponto imperdível ainda na Basílica de São Marco é o Campanille di San Marco, ou Campanário de São Marcos, um dos pontos turísticos mais visitados de Veneza.

Com 99 metros de altura, a torre construída no século 12 já foi um farol para o transporte marítimo. O destaque fica para os cinco sinos, que foram quebrados em 1902 e reformados posteriormente.

A vista panorâmica de Veneza a partir dali é espetacular! Vale a visita! Como o local é pequeno e não comporta tanta gente, pode ter fila de espera. 

🚩 Onde fica: Piazza San Marco, 328 

Horário de funcionamento: diariamente, das 9h30 às 18h (fechado entre 7 e 23 de janeiro)

💰 Preço: 8 € (adulto), 4 € (criança entre 6 e 18 anos)

 

12h00: Pausa para o almoço

Existem diversas opções de restaurantes na região de San Marco, para fazer a merecida pausa para almoçar. Uma das recomendações é o Ristorante All’Angelo, com um menu bem variado, preço econômico e boas sobremesas. 

. Rua Larga San Marco, San Marco 403/410.
Recomendado e recomendável, os menus são bons e econômicos e as sobremesas parecem de revista.

🚩 Onde fica: Rua Larga San Marco

 

13h30: Palácio Ducal ou Palazzo Ducale

o-que-fazer-em-veneza-palacio-ducale-pixabay

Palácio Ducale, um dos cartões-postais de Veneza (Foto: Passaporte Digital)

Em estilo gótico, o Palácio Ducale, também chamado de Doge´s Palace, foi residência oficial dos doges, os governantes que comandaram Veneza por mais de 1000 anos.

Construído entre 1309 e 1424, já foi usado como castelo e depois de um incêndio foi reconstruído e passou a ser usado como fortaleza e prisão. Inclusive, um dos pontos mais interessantes historicamente é a Câmara da Tortura, onde os presos eram pendurados.

Se você tiver apenas um dia em Veneza vai ter que correr se quiser visitar o Palazzo Ducale por dentro. Eu reservaria pelo menos duas horas para ver as salas com calma (sala das armas, sala de votações), além dos pátios e obras de arte. 

Outro ponto imperdível é a Ponte dos Suspiros, que conectava o palácio à prisão. Era por ela que as pessoas tinham acesso ao calabouço do palácio.

Aqui, vale uma ressalva. Se você tiver somente 24 horas e não tiver tanto interesse assim que coisas históricas, acho que a visitação interna terá que ficar para uma próxima oportunidade. Caso contrário, você não terá tempo para explorar outros lugares de Veneza em apenas um dia.

🚩 Onde fica: Piazza San Marco, 1

Horário de funcionamento: de domingo a quinta, das 8h30 às 17h30, às sextas e sábados, das 8h30 às 19h

💰 Preço: 20€ (adulto), 13 € (criança entre 6 e 14 anos, estudantes de 15 a 25 anos e idosos com mais de 65 anos). Até 5 anos entrada gratuita.

 

15h30: Ponte dos Suspiros

o-que-fazer-em-veneza-ponte-dos-suspiros

Ponte dos Suspiros, por onde passavam os prisioneiros antes da condenação (Foto: Pixabay)

Colado ao Palazzo Ducale fica uma das pontes mais famosas da cidade e que tem que estar no roteiro de o que fazer em Veneza! Trata-se da Ponte dos Suspiros, que liga o palácio ao prédio onde funcionava a antiga prisão de Veneza. Ela tem esse nome por causa de prisioneiros que passavam por ali em seus últimos momentos de vida. 

Vale o registro! 🙂

 

16h00: Ponte Rialto

o-que-fazer-em-veneza-ponte-rialto

Ponte Rialto: passagem obrigatória em Veneza (Foto: Passaporte Digital)

Construída em 1592, a Ponte Rialto é a mais antiga e famosa de Veneza, com uma boa vista do Grande Canal. Além da belíssima arquitetura da ponte, o local virou um pequeno centro de compras.

Você também pode visitar o Mercado Rialto, com sua imensa variedade de peixes, frutos do mar, frutas e flores. É aquele burburinho tradicional de um mercado de rua – que eu, particularmente, gosto bastante!

o-que-fazer-em-veneza-mercado-rialto

Peixes e frutos do mar no Mercado Rialto (Foto: Passaporte Digital)

 

🚩 Onde fica: Piazza San Marco, 1

Horário de funcionamento: Mercado Rialto, diariamente, das 9h às 12h

💰 Preço: 20€ (adulto), 13 € (criança entre 6 e 14 anos, estudantes de 15 a 25 anos e idosos com mais de 65 anos). Até 5 anos entrada gratuita.

 

16h30: Passeio no Grande Canal

veneza_grand_canal

O Grande Canal de Veneza é atravessado por três pontes (foto: Teresa Perez Divulgação)

Com 4 quilômetros, o Grande Canal “divide” Veneza em duas partes. A melhor maneira de percorrê-lo é de vaporetto, um ônibus aquático bem tradicional em Veneza. O transporte permite uma agradável vista dos edifícios e palácios que ficam às margens do canal, o que já proporciona um tour pela cidade. 

🙅 Dica da Alê: A melhor linha de vaporetto para percorrer o Grande Canal é a linha 1, para você ver outros pontos turísticos muito bonitos, como o Palácio Ca’ d’Oro, a Galeria da Academia, o Palácio Ca’Rezzonico e a Igreja Santa Maria della Salute. 

Para percorrer o Grande Canal de vaporetto, você precisa comprar seu ticket ao lado de todas as estações – geralmente em máquinas – ou em bancas de revistas e lojas de conveniência. Ah, não se esqueça de validar o ticket ao entrar no vaporetto, caso contrário você pode ser multado!

Na entrada de cada estação você vai encontrar um totem com um leitor eletrônico para validar o bilhete. 

Caso não queira pegar o vaporetto, você pode percorrer Veneza a pé, de gôndola ou barco privativo. Os carros ficam à “porta” da cidade, perto da Piazzale Roma.

💰 Preço: 7€ (ticket avulso válido por 60 minutos) ou 20€ (ticket válido por 24 horas ilimitado)

 

18h00: Passeio de gôndola em Veneza

o-que-fazer-em-veneza-pontes

Passeio de gôndola em Veneza: tradição nos canais (Foto: Passaporte Digital)

É claro que entre as atividades de o que fazer em Veneza passear de gôndola não pode faltar (especialmente se estiver em casal). 

Embora seja superomântico, o passeio de gôndola é um pouco salgado para o bolso do brasileiro em geral! Por um tour de 30 minutos, paga-se em média 80 euros por gôndola (se tiver mais gente, pode-se dividir o valor). Se quiser fazer o passeio à noite, sai um pouco mais caro, por volta de 100 euros.

A boa notícia é que você conhece os principais pontos de Veneza em um barco confortável e, geralmente, com gondoleiros muito simpáticos. Então, é só aproveitar!

Você encontra gondoleiros em diversos pontos de Veneza, especialmente próximo à Ponte Rialto.

💰 Preço: em média 80€ (por gôndola, passeio de 30 minutos) 

VEJA MAIS: O que fazer em Florença, na Itália

veneza_punta_della_dogana

Quem gosta de arte tem que visitar o Punta della Doigana (foto: Teresa Perez Divulgação)

 

19h00: Finalize a noite em um autêntico bar veneziano

Para fechar sua passagem por Veneza, recomendo uma happy hour no Il Paradiso Perduto, uma mistura de taberna e restaurante, ótimo para jantar e curtir a noite e, às vezes, com música ao vivo. 

No menu, os pratos variam de acordo com a disponibilidade do mercado de peixe de Veneza, todos com produtos frescos. A especialidade da casa é o “Il Gran Fritoin”, um peixe frito acompanhado de polenta branca.

Aproveite também para degustar o coquetel de Veneza, o Spritz, feito comvinho branco, água com gás e Campari, Aperol ou Cynar, que costuma ter uma rodela de laranja ou azeitona.

O bar fica na Fondamenta della Misericordia, na boêmia região do Canareggio. Ali também tem outras opções de locais para curtir a noite e jantar.

🚩 Onde fica: Cannaregio, 2540

Horário de funcionamento: de quinta a domingo e às segundas, das 11h às 00h. Terças e quartas fechado.

 

Dica: Arredores de Veneza | Ilha de Murano

murano-pixabay

Ilha de Murano, especialista na fabricação de cristais (Foto: Pixabay)

A Ilha de Murano é a mais próxima de Veneza, conhecida pela fabricação artesanal de cristal de Murano. Sei que no roteiro de 24 horas não dá para incluir o passeio até lá, mas se tiver um dia a mais, recomendo!

Muitos tours pela Ilha de Murano incluem a visita a uma das fábricas de cristal, onde os turistas podem ver a fabricação do vidro e, claro, comprar nas lojinhas. É lá que está também o Museu do Vidro, com objetos dos mais diversos: de cálices a espelhos. Observe ainda a Basílica de Santa Maria e San Donato.

Também dá para chegar à Ilha de Murano de transporte público, pelo vaporetto, linhas 41, 42, DM e LN

🚩 Onde fica: Fondamenta Giustinian 8, Murano

Horário de funcionamento: Museu do Vidro: diariamente, das 10h30 às 16h30 (até às 18h de abril a outubro)

💰 Preço: 10€ (adulto), 7,50 € (criança entre 6 e 14 anos, estudantes de 15 a 25 anos e idosos com mais de 65 anos). Até 5 anos entrada gratuita.

 

Um pouco mais sobre Veneza

o-que-fazer-em-veneza-grande-canal

Vista do Grande Canal a partir da Ponte Rialto, em Veneza (Foto: Passaporte Digital)

 

Andar por Veneza é diferente de tudo! Você se “perde” facilmente pelas vielas que mais se parecem labirintos, sempre com um encantador cenário de canais e pontes que são verdadeiras obras de arte!

Não há carros nem ônibus circulando por lá. O transporte público é feito por barcos (conhecidos como vaporettos), barcos táxis ou alugados ou pelas famosas gôndolas. Mas muitos dos lugares são percorridos a pé mesmo.

Veneza é a capital da região do Veneto, tem cerca de 270 mil habitantes, 60 mil no centro histórico.

 

Quando ir a Veneza

Aberta aos ventos do mar Adriático, Veneza enfrenta invernos bastante frios e verões muito quentes e úmidos, com tempestades às vezes bem fortes. 

Por isso, a melhor época para visitar Veneza é entre abril e junho, e no mês de setembro, quando se tem as temperaturas mais agradáveis. Em fevereiro, acontece o tradicional carnaval de Veneza, com suas máscaras belíssimas.

De novembro a janeiro há o risco de pegar a chamada acqua alta, ou seja, inundação. Em julho e agosto, há muitos turistas, pois é época de férias dos europeus. 

o-que-fazer-em-veneza-mascaras

Tradicionais máscaras de Veneza estão à venda por todos os lados (Foto: Passaporte Digital)

 

Existe taxa de visitação em Veneza?

No final de 2018, a prefeitura de Veneza anunciou que pretende instituir uma tarifa para os turistas que não pernoitarem na cidade.

A taxa deverá variar de acordo com a temporada e deve oscilar entre €2,50 na baixa e €10 na alta temporada. O pagamento do ingresso será obrigatório para todos que ficarem menos de 24h na cidade, como é o caso de pessoas que desembarcam de cruzeiros e excursões.

Apesar da previsão de cobrança, ainda não foi confirmado (até abril de 2019) quando a nova taxa será posta em prática. No momento, continua em vigor a taxa de hospedagem que vai de €1 a €5, de acordo com a categoria do hotel, cobrada a cada noite.

 

Como chegar a Veneza

o-que-fazer-em-veneza

Vaporetto é ideal para circular por Veneza (Foto: Passaporte Digital)

Veneza conta com o Aeroporto Marco Polo, que fica a 45 minutos de distância de vaporetto (€15) do centro histórico ou a 25 minutos de carro.

O aeroporto tem diversas empresas de locação de carro, embora alugar um carro não é uma opção recomendada se você quer conhecer o centro histórico de Veneza.

Se preferir, há ônibus da Bus Express (ATVO) que partem do aeroporto até a estação rodoviária Piazzale Roma, na entrada do centro histórico de Veneza, a cada 6 minutos. O trajeto dura 35 minutos e custa €15. Pode-se comprar online aqui.

🙅 Dica da Alê: Se você não vai ficar hospedado em Veneza, mas quer só passar o dia e voltar ao aeroporto ou estação de trem, saiba que terá dificuldades com malas, pois Veneza tem muitas escadas. Tente encontrar um guarda-volume antes de seguir viagem. 

 

Seguro viagem é necessário?

Lembramos a quem está planejando ir à qualquer país da Europa, que é obrigatório contratar um seguro viagem internacional para entrada no destino.

 

Mais sobre a Itália


* Preços pesquisados em abril de 2019 (sujeitos a alteração).


Alessandra Oggioni

Alessandra Oggioni

Jornalista, mãe e apaixonada por viagens. Seu passatempo preferido é desenhar roteiros e dar pitacos na viagem dos amigos. Depois de passar por mais de 12 países e mais de 30 cidades pelo mundo, criou o blog Passaporte Digital, para reunir dicas de viagem para os melhores destinos no Brasil e no exterior.


Booking.com
Porto e Lisboa em três dias: 6 passeios imperdíveis

Porto e Lisboa em três dias: 6 passeios imperdíveis

Quem faz uma Eurotrip, geralmente têm pouco tempo em cada país. Pensando neste viajante, selecionei seis cantinhos especiais em Porto e Lisboa para fazer em 3 dias. São passeios que não podem faltar no roteiro de primeira viagem e trago aqui todas as dicas para aproveitar melhor a sua estada em Portugal.

Aliás, pelo segundo ano consecutivo, o país foi eleito o melhor destino do mundo, de acordo com o World Travel Awards 2018, considerado o Oscar do Turismo.

O local de onde saíram os descobridores e colonizadores do Brasil é belíssimo, cheio de história e muita cultura. A cada esquina, uma construção ou monumento exibe uma riqueza para ser admirada e explorada. Por isso, o ideal não é ficar só dois dias, claro. Mas se este é o tempo que você tem, vamos aproveitar da melhor maneira possível.

Durante minha breve passagem por Portugal, conheci Porto e Lisboa. Vi muita coisa bacana, mas vou destacar aqui três pontos turísticos de cada cidade para você anotar no caderninho e visitar quando atravessar o oceano e pousar em terras portuguesas.

Porto e Lisboa: fique com os dois!

 

LISBOA

A capital de Portugal apresenta uma série de prédios modernos e lojas de grandes marcas, mas o que chama mesmo a atenção é a parte histórica. É ela que instiga as pessoas a conhecerem o Velho Mundo.

1- Torre de Belém

Torre de Belém

Torre de Belém tem que visitar em Lisboa (Foto: Juliana Falcão/Passaporte Digital)

A construção é belíssima, foi concluída em 1520, e o cenário se torna ainda mais belo porque a torre fica às margens do rio Tejo. É um dos maiores pontos turísticos de Lisboa. Fique de olho nos horários e valores de ingressos, pois é possível entrar e conhecer tudo lá dentro!

Onde fica: Avenida Brasília, 1400-038, Lisboa
Horário de funcionamento: de terça a domingo, das 10h às 17h30
Entrada: 6€ ou 12€ no bilhete conjugado com o Mosteiro dos Jerónimos (grátis aos domingos e feriados até às 14h)

LEIA TAMBÉM: Guia de compras em Lisboa

2- Castelo São Jorge

lisboa castelo sao jorge

O Castelo de São Jorge fica na zona nobre da antiga cidadela medieval em Lisboa (Foto: Paola Farrera)

A cidade dos castelos é Sintra, mas Lisboa também possui um castelo que vale a pena conhecer – apesar do esforço para subir todas as escadas e alcançar todas as torres e corredores. A visão que o alto de Castelo São Jorge oferece do centro histórico é linda. Para chegar lá, uma opção interessante é pegar o Elevador do Castelo. A pé é bem cansativo por conta das ladeiras.

Onde fica: Rua de Santa Cruz, Lisboa
Horário de funcionamento: diariamente, das 9h às 18h (de março a outubro, até às 21h)
Entrada: 8,50€ (grátis para crianças de até 10 anos, desconto para estudantes até 25 anos e maiores de 65 anos)

 

3- Cascais

cascais

Cascais, uma vila portuguesa parte do distrito de Lisboa, é um passeio delicioso (Foto: Viv Lynch)

Cascais, uma vila portuguesa, parte do distrito e área metropolitana de Lisboa, que você precisa conhecer. Se você estiver a pé, basta pegar o comboio e chegar a esta vila acolhedora e lindíssima.

O local oferece um clima bem ameno, com praias e muitos espaços para visitar e caminhar. Os barcos atracados e as gaivotas revoando no meio da tarde rendem boas fotos e uma sensação de paz que poucas palavras explicam.

Por ser uma cidade turística, é possível achar muitas lojas com suvenires, bancos de praça para sentar e contemplar as paisagens, muitos jardins e um sorvete maravilhoso, vendido na Santini (Av. Valbom, 28 F), uma sorveteria que possui mais de seis décadas. Vale lembrar que há unidades também em Belém e Porto.

 

Outras dicas de Lisboa

Eu disse que eram apenas três pontos turísticos, mas eu preciso lembrar você de visitar o Jardim Afonso de Albuquerque, o imponente Padrão dos Descobrimentos, o Museu Nacional dos Coches, o Mosteiro dos Jerônimos, a Praça Marquês de Pombal, a Praça do Comércio e o Parque Eduardo VII. Ah, e não deixe de comer o tradicional pastel de Belém. Se ele estiver saindo do forno, melhor ainda! Tem que ser em Belém mesmo, porque lá a receita é original e secreta. Nos demais bairros a iguaria é chamada de pastel de nata.

CONFIRA O ROTEIRO COMPLETO DE LISBOA AQUI

 

PORTO

porto

Porto fica a três horas de Lisboa (Foto: Trevor Huxham)

A cidade de Porto fica a mais ou menos três horas de Lisboa de carro e é imperdível por conta de suas construções antigas e cheias de histórias. Uma boa caminhada a pé faz você conhecer uma série de locais e registrar cada cantinho.

Se estiver corrido, destaco três atrações em Porto que gostei muito de conhecer.

4- Estação São Bento

São Bento é um dos principais pontos turísticos de Porto e você não pode sair de lá sem visitá-lo. Considerada uma das estações mais lindas do mundo, possui o átrio coberto de azulejos, uma visão enriquecedora para os olhos. De lá partem trens para diferentes pontos da cidade.

Não se esqueça de olhar os detalhes da Estação São Bento (Foto: Juliana Falcão/Passaporte Digital)

5- Livraria Lello

 

livraria lello

Vá cedo à Livraria Lello para não pegar fila (Foto: Michal Huniewicz)

 

Para quem é fã de livros e do bruxinho Harry Potter precisa ir até o centro histórico de Porto conhecer a Livraria Lello. A fila para entrar costuma ser grande, mas vale a pena o esforço. Além de prateleiras altíssimas e de uma arquitetura de tirar o fôlego, a livraria lembra o local onde Harry Potter compra seus livros, chamado Floreios e Borrões.

Onde fica:Rua das Carmelitas, 144, Porto
Horário de funcionamento: diariamente, das 9h30 às 19h

6- Parque de Serralves

parque serralves

Parque Serralves, em Porto, é delicioso para uma caminhada (Foto: Pedro Dias)

O Parque de Serralves abriga a Fundação Serralves e o Museu de Arte Contemporânea. Para quem gosta de exposições, é um prato cheio. Mas o ponto alto mesmo é o parque, uma das coisas mais belas que meus olhos já viram. A diversidade de árvores é encantadora e soma mais de 230 espécies.

Quando você achar que já viu tudo, caminhe mais um pouco. Certamente vai encontrar uma nova flor ou uma nova área verde para se deslumbrar.

Mais dicas de Porto

É claro que aqui também eu não poderia parar em apenas três locais… Então, aproveite para conhecer as belas construções da Avenida dos Aliados (entre elas a Câmara Municipal), o Mercado do Bolhão, a Casa da Música, a Praça Mousinho de Albuquerque, a Praça Marquês de Pombal, a Igreja Nossa Senhora da Conceição, a Ponte Dom Luis e a Gaia, onde fica o famoso El Corte Inglés, o ponto de encontro das melhores marcas do mundo.

Câmara Municipal

A bela Câmara Municipal de Porto (Foto: Juliana Falcão/Passaporte Digital)

Ah, e se puder, prove a Francesinha, uma iguaria famosa em Portugal, principalmente em Porto. É uma espécie de sanduíche composto por duas fatias grossas de pão recheadas com bife, uma espécie de presunto, linguiça e queijo. Também é coberto com queijo, muito molho e pode vir com um ovo frito em cima.

Se você vai partir daqui mesmo do Brasil, poderá pousar tanto em Porto quanto em Lisboa. Tudo depende do roteiro. A partir de julho de 2019, a companhia aérea Azul vai passar a oferecer voos diretos para Porto. Antes era apenas Lisboa.

Dizem que as passagens possuem um preço acessível durante o outono, mais precisamente entre setembro e novembro. Mas essa decisão depende também de quais lugares você deseja visitar. Se sua intenção é conhecer as praias portuguesas, o jeito é viajar para lá no alto verão.

Espero que você possa visitar Portugal e ficar encantada como eu e voltar de lá com uma mala cheia de ótimas histórias!

VEJA MAIS: PRAIAS DE PORTUGAL


Juliana Falcão

Juliana Falcão

Jornalista que ama viajar, seja sozinha, seja com a família e amigos. Apesar de gostar de programar com calma suas viagens, essa pisciana volta e meia se joga de cabeça em passeios que surgem de última hora. Também curte karaokês, cinema (se for para assistir super-heróis, melhor ainda!) e de forrar o estômago com uma boa comida.


Booking.com
Inaugurado Museu do Vinho em Bordeaux, na França

Inaugurado Museu do Vinho em Bordeaux, na França

Se você é como eu que ama viajar e não dispensa um bom vinho, achei o destino certo para sua próxima viagem: Bordeaux, na França, que acaba de inaugurar o Museu do Vinho La Cité du Vin, o maior espaço totalmente dedicado à bebida no mundo. O empreendimento, que chama a atenção por sua arquitetura supermoderna, fica localizado às margens do rio Garonne.

E não haveria lugar melhor para instalar o museu do vinho, inaugurado no fim de maio. Localizada no sudoeste da França, Bordeaux é famosa mundialmente por suas vinícolas.

VEJA TAMBÉM: Roteiro de sete dias em Paris 

museu-do-vinho-patio-interno-bordeaux

O projeto arquitetônico ultramoderno do Museu do Vinho (Foto: Divulgação)

Além do acervo contar a história e a cultura do vinho em diferentes locais pelo mundo, o projeto arquitetônico do museu é algo grandioso (e lindo!) que custou nada mais nada menos que R$ 330 milhões. A construção ultramoderna é composta por centenas placas de alumínio e vidro modelados por diversas curvas, que corresponde ao movimento que o vinho faz enquanto está sendo colocado na taça. É m-a-r-a-v-i-l-h-o-s-o!

Em um espaço de exposição que ocupa mais de 3.000 m², o museu do vinho La Cité du Vin conta com 20 diferentes áreas temáticas que mostram a cultura do vinho, as influências das civilizações ao longo da história, o cultivo da uva, tudo com uma proposta mais didática e interativa, para agradar enófilos e leigos. No último andar, o local tem um restaurante com uma bela vista da região. Vale a pena conhecer!

Espera-se que o museu do vinho receba cerca de 450 mil visitantes por ano. Os ingressos custam € 20 e dão direito à visitação da exposição permanente do museu e à degustação de uma taça de vinho.

Museu do Vinho La Cité du Vin 

Onde fica: 150 – 134 Quai de Bacalan, Bordeaux, França
Horário de funcionamento: diariamente, das 9h30 às 19h30
Entrada: 20 euros

VEJA TAMBÉM: Roteiro de vinho no Uruguai


Alessandra Oggioni

Alessandra Oggioni

Jornalista, mãe e apaixonada por viagens. Seu passatempo preferido é desenhar roteiros e dar pitacos na viagem dos amigos. Depois de passar por mais de 12 países e mais de 30 cidades pelo mundo, criou o blog Passaporte Digital, para reunir dicas de viagem para os melhores destinos no Brasil e no exterior.


Booking.com
Melhor época para ir a Suíça

Melhor época para ir a Suíça

O ano inteiro pode ser considerado a melhor época para ir a Suíça, porque o país tem atrações bacanas tanto no verão como no inverno. Portanto, se você planeja curtir as férias de inverno, prefira ir entre janeiro e março, porque foge das férias escolares na Europa. Já para aproveitar temperaturas mais elevadas, o melhor é viajar em setembro ou outubro, porque também não pega a alta estação de julho e agosto.

LEIA TAMBÉM: Roteiro pela Suíça de trem

Além de escolher a melhor época para ir a Suíça, também é bom saber outras coisas básicas:

MOEDA

A moeda oficial suíça é o franco suíço, embora seja comum encontrar preços em euros em lojas e restaurantes. Alguns estabelecimentos até aceitam euro, mas aplicam a taxa de conversão para a moeda local.

LOCALIZAÇÃO

No coração da Europa, Suíça faz fronteira com Alemanha, França, Itália  Liechtenstein. Assim, fica fácil e muito prático incluir a Suíça combinando com roteiros de outros países europeus. Essa viagem pode ser feita, inclusive, de trem. CLIQUE AQUI E SAIBA MAIS.

COMO SE LOCOMOVER NO PAÍS

roteiro-suiça-de-trem

No Roteiro Suíça de Trem damos dicas para percorrer o país inteiro (foto: Divulgação)

O sistema de transporte público na Suíça funciona como um verdadeiro relógio suíço, ou seja, extremamente pontual. Utilize o Swiss Travel Pass e aproveite o serviço de trem, ônibus e até barcos em qualquer ponto do país.

HORÁRIOS COMERCIAIS

As lojas geralmente ficam abertas das 9h às 18h30 durante a semana e até às 16h aos sábados. Geralmente, o comércio fecha aos domingos. Se precisar comprar alguma coisa de emergência, recorra a estações de trem ou lojas de conveniência.

IMPOSTOS

Turistas podem restituir 8% do VAT (imposto sobre mercadorias) se gastarem mais de CHF 400 em uma mesma loja no mesmo dia. Se quer saber como faz para receber seu dinheiro de volta, clique aqui.

MAIS DESTINOS NA SUÍÇA:
Zurique
Lucerna
Interlaken

Dicas de Munique: Roteiro de 3 dias

Dicas de Munique: Roteiro de 3 dias

Gosta de cerveja? Vá para Munique. Curte história e arte? Vá para Munique. Quer comer bem? Vá para Munique. E tem muito mais nesta cidade encantadora ao sul da Alemanha. Famosa pela Oktoberfest, maior festival de cerveja do mundo que acontece entre setembro e outubro, Munique atrai também pelos famosos pontos turísticos, como a praça Marienplatz e o palácio de Nymphenburg. Para você não perder nada, reunimos dicas de Munique para um roteiro de 3 dias – menos que isso vai ficar faltando alguma coisa para ver. Aliás, se conseguir reserve pelo menos cinco dias inteiros para curtir o destino.

Mas antes de ver as dicas do nosso ROTEIRO (links logo abaixo), vale ressaltar algumas informações importantes sobre a cidade.

 

ROTEIRO DIA 1: Marienplatz, Igreja Frauenkirche e mais
ROTEIRO DIA 2: Palácio de Nymphenburg, Parque Olímpico e mais
ROTEIRO DIA 3: Residenz, parque Englischer Garten e mais

 

DICAS DE MUNIQUE: CLIMA

oktoberfest-munique Tendas oferecem cerveja e comidinhas na tradicional Oktoberfest de Munique (Foto: Divulgação)[/caption]

O clima em Munique é moderado para os padrões europeus, sem temperaturas extremas, tanto no inverno como no verão. Entre maio e setembro fica ainda mais gostoso visitar Munique, pois o clima é mais quente (embora ocorram mais chuvas) e o sol se põe às 10 da noite, ideal para passeios ao ar livre. Ah, e não se esqueça que fim de setembro e outubro geralmente ocorre a Oktoberfest, o maior fetival de cerveja do mundo, período em que a cidade fica bem mais lotada.

 

DICAS DE MUNIQUE: ONDE FICAR

Para facilitar a locomoção, a dica é se hospedar no centro histórico de Munique. Assim, você fica pertinho dos principais pontos turísticos e históricos – dá até para ir a pé – e contará com estações de metrô bem próximas.

 

DICAS DE MUNIQUE: GASTRONOMIA

Se quiser provar uma refeição típica de Munique, experimente o famosa “Weisswurst”: um prato típico da região da Baviera feito com salsicha branca à base de vitela e ervas, acompanhado de mostarda adocicada. Também não deixe de comer o “Brezn”, uma espécie de pão trançado. Para beber, claro, um “Maß” (leia-se “maas”), cerveja servida em canecos de um litro.

 

IR PARA ROTEIRO DIA 1
IR PARA ROTEIRO DIA 2
IR PARA ROTEIRO DIA 3


Alessandra Oggioni

Alessandra Oggioni

Jornalista, mãe e apaixonada por viagens. Seu passatempo preferido é desenhar roteiros e dar pitacos na viagem dos amigos. Depois de passar por mais de 12 países e mais de 30 cidades pelo mundo, criou o blog Passaporte Digital, para reunir dicas de viagem para os melhores destinos no Brasil e no exterior.


Booking.com
Dicas de Munique | Roteiro dia 1: Marienplatz, museus e cervejaria

Dicas de Munique | Roteiro dia 1: Marienplatz, museus e cervejaria

Conhecida pela tradicional festa da cerveja, a Oktoberfest, Munique é uma cidade que consegue reunir patrimônio histórico, povo hospitaleiro e boa gastronomia. Neste roteiro de 3 dias, reunimos dicas de Munique para você aproveitar ao máximo o seu tempo por lá.

No primeiro dia do roteiro de Munique tem as atrações mais famosas do destino: como a Praça Marienplatz, a Igreja Frauenkirche e o mercado municipal a céu aberto com suas comidas deliciosas. Confira.

 

1. Praça Marienplatz

Munique-Marientplatz

Um dos cartões-postais de Munique, a praça Marientplatz

A praça Marienplatz é o coração de Munique. O local, que já foi usado para torneios na Idade Média, abriga prédios históricos, como o da prefeitura (Neue Rathaus), construído em estilo gótico, e o famoso relógio de bonequinhos dançantes, que toca todos os dias às 11h da manhã e atrai uma multidão de turistas. Veja no vídeo abaixo:

 

2. Igreja Frauenkirche

dicas-de-munique

Da belíssima Igreja Frauenkirche, em Munique, é possível avistar os Alpes Bávaros (foto: Viator)

Frauenkirche é a Igreja de Nossa Senhora, construída entre 1468 e 1488. O que mais chama a atenção nela são as duas torres de 99 metros de altura. Do alto, dá para ter uma vista linda de Munique e até dos Alpes próximos dali.

 

IR PARA O ROTEIRO DIA 2

 

3. Mercado Viktualienmarkt

munique-mercado

Que tal uma pausa para o almoço no mercado municipal de Munique? (Foto: Marcus Brown)

Se a fome apertar, dê uma parada no Viktualienmarkt, o mercado municipal a céu aberto de Munique que existe há mais de 200 anos. Ali, você encontra queijos, salsichas, frutas, pães, peixes e muito mais.

 

4. Kunstareal

munique-Museu Brandhorst

O Museu Brandhorst é dos muitos de Munique que valem a pena conhecer

Munique tem uma grande variedade de museus, e Kunstareal é considerado o espaço das artes de Munique, com 16 dele. Destaque para o Museu Brandhorst, que apresenta arte moderna.

 

5. Cervejaria Hofbräuhaus

Hofbräuhaus uma cervejaria fantástica

Fundada em 1589, a Hofbräuhaus foi aberta ao público em geral apenas em 1830.

 

Para finalizar o primeiro dia de roteiro, esta é uma cervejaria que vale a visita. Fundada em 1589, a Hofbräuhaus foi aberta ao público em geral apenas em 1830. Além de degustar a tradicional bebida alemã, você assiste a apresentações de bandas de música típica do país.
Onde fica: Platz 9
Horário de funcionamento: diariamente das 9h às 23h30

 

VEJA OUTRAS DICAS DE MUNIQUE:

ROTEIRO DIA 2
ROTEIRO DIA 3

VOLTAR AO ROTEIRO COMPLETO

 


Alessandra Oggioni

Alessandra Oggioni

Jornalista, mãe e apaixonada por viagens. Seu passatempo preferido é desenhar roteiros e dar pitacos na viagem dos amigos. Depois de passar por mais de 12 países e mais de 30 cidades pelo mundo, criou o blog Passaporte Digital, para reunir dicas de viagem para os melhores destinos no Brasil e no exterior.


Booking.com